1. (via chamanka)



  2. il n’y a pas de hors-brasilia





  3. q q issos minha gente




  4. Et je dis ces mots les yeux tournés, certes, vers les opérations de l’enfantement; mais aussi vers ceux qui, dans une société dont je ne m’exclus pas, les détournent devant l’encore innommable qui s’annonce et qui ne peut le faire, comme c’est nécessaire chaque fois qu’une naissance est à l’œuvre, que sous l’espèce de la non-espèce, sous la forme informe, muette, infante et terrifiante de la monstruosité.
    — Derrida, La structure, le signe et le jeu dans le discours des sciences humaines



  5. antiform
     play
     chance
     anarchy
     exhaustion
     process
    absence
     metonymy
     signifier
     anti-narrative
    androgynous
     schizophrenia
    trace
     The Holy Ghost
     interdeterminacy
     immanence





  6. Antigamente, só as grandes cidades norte-americanas exibiam serial killers. Hoje, qualquer cidade média já produziu os seus, inclusive nos campi universitários ou grandes colégios médios. Surgiram duas “instituições” novas: o genocídio em escala mundial e o crime hediondo em escala local.
    — Julio Katinsky, Brasília: Antologia Crítica, p. 18




  7. tim hecker te amo



  8. Werner Bischof (1952)






  9. Não é o conteúdo das ideologias usadas pelos governantes totalitários, mas a própria lógica delas que produz esse terreno familiar e a certeza infalível da lei. A lógica, isto é, o raciocínio puro, sem outras considerações… O risco na solidão é sempre o de se perder a si mesmo. É o risco profissional, dá pra dizer assim, que assume o filósofo, pois ele busca a verdade e se inquieta com questões que qualificamos de metafísicas, mas que na real são as únicas que todo mundo se preocupa. A solução encontrada pelos filósofos foi sacar que, pelo jeito, existe no próprio espírito humano um elemento capaz de constranger os outros e assim engendrar, fazer nascer o poder. Essa faculdade é em geral chamada de lógica. E ela intervém cada vez que a gente afirma que um princípio ou enunciado possui em si mesmo uma força de convencimento absoluto, definitivo. Quer dizer, uma qualidade que faz com que a gente se sinta verdadeiramente coagido a subscrevê-lo.